30 de novembro de 2012

Pitbullzinho de pelúcia

Pode até ser cansativo me ouvir-ler falar de amor, mas eu posso te afirmar com toda a certeza do mundo que a culpa não é minha, é dele. Daquele 'pitbull' que apareceu na minha vida, fez tudo se revirar do avesso e me fez fazer as maiores loucuras da minha vida. Sabe quando alguém te fala as mais sinceras verdades do mundo, sorrindo, te dando a mão pra te ajudar a pular daquela ribanceira, só porque sabe que lá embaixo você vai cair em um rio lindo e vai encontrar tudo o que você precisa? Muita gente gritou, falou mal, criticou, mas se não fosse o "empurrãozinho" doido dele eu não estaria realizando um dos meus maiores sonhos. Vocês com certeza devem saber... Eu nasci para ser cantora! E durante muitos anos quis me esquecer desse meu objetivo de estar aqui e fiquei perambulando por qualquer coisa que me preenchesse. Não adiantou. E quando eu não acreditava mais em nada, quando eu achava que minha vida ia passar e eu só ia sentir quando acabasse, você me apareceu e me tirou do chão. Você me fez viva, me fez mulher. Me fez a Jéssica Trabuco que eu sonhava há alguns anos atrás. E é tão engraçado perceber que eu vivo o meu sonho! Que quando eu acordo é você a primeira coisa que eu vejo! Claro que depois de Luna, que fica nos esperando acordar pra nos encher de lambidas e brincar.  E é tão gostoso quando eu te vejo com aquele sorriso no rosto, fazendo palhaçada só para eu rir, enquanto você cozinha a melhor comida do mundo todo pra gente. Eu confesso, está bem? Eu gosto de lasanha hoje só por sua causa. E no início desse nosso casamento-sem papel, eu me animei tanto que ganhei uns quilos e gordurinhas a mais. Mesmo que eu faça muxoxo, eu fico feliz em saber que apesar de você ter me achado uma magricela lá no início, você adora o meu corpo hoje. Que você perde o equilíbrio no nosso amor e que não importa a hora, o dia, ou se acabou de fazer, você quer sempre mais. E se embriaga com o nosso desejo, junto a mim, me deixando louca, sem controle do meu próprio ser, o tornando seu por completo, fazendo o que quiser e eu sem poder retrucar. Eu nunca trocaria uma barra de diamante negro pelas nossas brigas de brincadeira na cama. Mesmo eu perdendo sempre, mesmo deixando alguma marca no meu corpo. Eu adoro quando eu te ataco e você rir descontroladamente até me imobilizar e eu me render gritando "ta doendo, ta doendo, não quero mais brincar", cheia de bico. Amo a nossa vidinha, mesmo que as vezes apareçam mais contas do que o nosso dinheiro, mesmo quando aparece quem tente nos atrapalhar, mesmo quando a gente sofre por ser inocente demais, mesmo quando você curte a foto de uma menina que nem conhece para ajudar em um concurso e eu tenho um ataque de ciúmes bobo, mesmo quando você briga comigo por causa de um idiota do meu lado, mesmo quando você me pirraça até eu pensar ficar com raiva, mesmo quando a gente só consegue levantar às 12h, ou até mesmo quando você consegue qualquer coisa que pede fazendo dengo... Não consigo me lembrar de nada que aconteceu antes de eu te conhecer. Aliás, eu não te conheço desde sempre não? Você é parte de mim, entendeu? P-A-R-T-E  D-E  M-I-M, meu pitbullzinho de pelúcia. 

4 comentários:

Ana Carolina Lima Da Rosa disse...

Lindo texto! hiihi

Rafael Ayala disse...

Eita, Jéssica: que texto mais lindo!
E apaixonante! Eu poderia passar o domingo escrevendo elogias e ainda não seria o bastante =D.

Encontrar um amor assim, companheiro, não tem preço. É dos mais valiosos tesouros do mundo.

E toda a felicidade pra ti e pro pitbulzinho de pelúcia!

Beijos e abraços!
=]

Agatha Nezinho disse...

haha gostei! você escreve com bom humor e também tem uma história gostosa para contar, deve ser muito amor o de vocês mesmo porque uma barra de diamante negro é coisa séria mesmo. bjos!

ja estou seguindo

Dayane disse...

Que lindo!!!!!!