29 de novembro de 2010

Ideologia crítica, sem disfarce

Normalmente quando se fala de ideologia, a primeira coisa que nos vem a mente é a letra da música de Cazuza: “Ideologia, eu quero uma pra viver”.
Mas o que aparece como algo benéfico pode ser também uma forma de manipulação e dominação de classes. Existem dois tipos de ideologia: a neutra e a crítica, sendo a crítica a em questão.
A ideologia crítica, de maneira mais astuta, faz de muitos da nossa sociedade, seres alienados. Tendo as “idéias” jogadas por ela como sendo verdadeiras, absorvendo-as de maneira passiva.
É uma maneira de camuflar a verdade, dando para ela uma forma bonita e bondosa.
A ideologia faz com que os efeitos sejam combatidos como causas, transformando os verdadeiros vilões em mocinhos, e aqueles que são os violentados na história toda, se transformam nos vilões.
O racismo é um grande exemplo de ideologia. Onde, se faz crer que a cor da pele, ou a nacionalidade de um ser, pode ditar que tipo de pessoa ele é. E para proteger e fortalecer a sua própria raça, não se aceita nada de diferente, de outro lugar que não seja o mesmo seu, ou algo que se assemelhe com os seus iguais.
O incrível na questão da ideologia crítica, por exemplo, é que os marginalizados da nossa sociedade estão lá por grande parte nossa. Um dos frutos da ideologia foi nos fazer crer que nascemos de um jeito e morreremos desse mesmo modo. Sendo assim, aqueles que por algum motivo estão em uma classe menos favorecida na nossa sociedade, não recebem oportunidades para que possam evoluir financeiro e socialmente. Em vez de estarmos os apoiando nesse sentido, estamos os colocando contra a parede, estamos pressionando-os, por meio da comunicação em massa, a serem como “nós”. E qual seria a alternativa, para alguém que não tem uma educação de qualidade, não consegue um emprego, que vê seus familiares passando fome, que recebe discriminação e preconceito por parte da sociedade, e ainda recebe diariamente um bombardeio da mídia dizendo que só se é bom tendo aquele produto; a não ser a vida do crime?!
A ideologia crítica nos torna seres frios e calculistas.
O pensamento no outro não se torna mais necessário, visto que, para sobreviver no nosso mundo capitalista atual, deve-se apenas ser individualista e fazer o que for necessário para subir até o topo da pirâmide. O que se faz para conseguir isso já não é tão mais relevante se você consegue atingir o seu objetivo. E é exatamente isso, a ideologia serve de escada para que se consiga alcançar o topo, o problema é que mesmo os amassados embaixo dela, não conseguem ver isso tão nitidamente. Na política, por exemplo, em quase toda a sua maioria, os políticos estão preocupados mesmo com que a ignorância do povo continue e perpetue, por isso é colocado à frente dos nossos olhos vendas bem escuras, divertimentos, copas do mundo, olimpíadas, “pão e vinho”, para que nossas mentes se dispersem e não nos interessemos por política. Essa é a ideologia deles, porque nos “distraindo” eles continuarão com suas corrupções, felizes e tranqüilos, e nós continuaremos a financiar tudo isso de todo o agrado.
Dentro da ideologia, o que não podemos esquecer é que existe a alienação, mas também existe a reflexão. E é isso que todos deveriam fazer antes de aceitar qualquer discurso como verdadeiro, qualquer “carma” como justo. E para refletir friamente sobre a nossa sociedade atual, sobre a que ponto estamos, é necessário se desvincular de toda a informação manipulada que é recebida, deve-se ler, estudar, criticar, refletir, pensar.
Talvez assim, numa sociedade de críticos, reflexivos, de ativos antes de passivos, as ideologias jogadas na nossa história sejam dissolvidas finalmente, e evaporem para bem longe de nós. E no lugar delas, surjam as ideologias neutras, as que são a busca de algo melhor, a luta pelo bom.


10 comentários:

Luana disse...

Gostei daqui... Vou seguir! Passa pra conhecer o meu, depois! :)
Beijos

*Mi§§ §impatia* disse...

Oi, tudo bem? Vim agradecer sua visita ao meu blog Delírios so da Miss Simpatia. E conhecer seu espaço. Tudo muito lindo, adorei. Aproveito e te convido a conhecer meu outro blog pessoal e me seguir caso queira ta?
http://cantinhodamissrj.blogspot.com/

Beijos.

ƸӁƷBeautiful Butterfly WomanƸӁƷ disse...

Uauuuu!!!adorei o texto...bem verdadeiro...amo ler...e já vi aqui irei me acabar em leituras inteligentes...serei tb.sua seguidora...e gostaria tb.que vc.me seguisse...pode ser...kkkkkkkkk!!beijos queridaaa!!

San disse...

Passei para retribuir sua visita e me encantei com seu blog estou te seguindo bjs

San disse...

Ola tem selinho pra voce no blog passa la pegar bjs

Henrique Miné disse...

oolha só, andou leendo Marx, é?


beeeeijos.

Blue disse...

Boa reflexão. Ser crítico em tudo o que lemos, ouvimos. Tem muita informação manipulada.

Obrigado pela visita.

Beijo

Mr_P disse...

Muito legal.
A sociedade de classes, a partir de determinando momento, cria as condições necessárias para se reproduzir. Uma dessas condições é a pacificação dos sujeitos perante as crueldades do sistema. A disseminação da descrença nas mudanças. A pregação do individualismo. Tudo isso Marx chama de Alienação.

Uma dúvida... o que seria ideologia neutra?

A Escafandrista disse...

oi, jéssica. já vi seus blogs, todos muito bons. obrigada pela visita ao blog poesiaescafandrista. Passa lá sempre que der, tenho poesias novas, com parcerias e tudo o mais. abraço e boa semana pra vc ;)

Erica Ferro disse...

Excelente reflexão, Jéssica!
Concordo.
É preciso ser desconfiado hoje em dia.
É preciso desconfiar de toda atitude, todo discurso, todo o ato bondoso ou maldoso alheio.
É preciso conhecer o que se esconde por trás de cada coisa.
É preciso ver e enxergar as coisas com nossos olhos, criar nossas próprias ideologias, ideais e convicções.

Um abraço.