22 de agosto de 2013

Minha arma é o fone de ouvido


O sistema hoje é tao perverso e egoísta. Vivemos correndo contra o tempo para conseguir mais um real para pagar as nossas contas que somam mais de 1 milhão. Porque para ser feliz na sociedade de hoje a gente tem que gastar dinheiro até com o pensamento, porque é cool, é ser feliz. E nessa caminhada cega para lugar nenhum a gente acaba perdendo as melhores coisas da vida: as coisas simples. Só de respirar, só de acordar mais um dia... Só de ouvir um "eu te amo" sincero, de ter para quem voltar no final da noite. Isso sim é ser feliz. E em meio a uma volta pra casa, com o ônibus cheio de gente exausta de mais um dia de trabalho, pessoas falando nada com nada, nervosas, pensativas, acabadas, uma pessoa me fez acreditar que ainda nada está perdido. Uma menina estava do meu lado, com uma camisa rosa chiclete, cabelo louro tipo amarelo bandeira do Brasil, não lembro seu rosto, nem como era, mas estava cantando bem alto e desafinado os versos de uma canção que eu já tinha escutado algum outro dia, mas que naquele momento me soou como a melhor música do mundo. Alguém naquele ônibus não estava nem aí para julgamentos, nem para o dia cansativo que deve ter passado. Estava feliz para qualquer um ver, ou nem notarem. Mas estava bem consigo mesma e isso é o que vale de verdade. O que vai ficar depois que só nos restarem os nomes. Meus fones de ouvido já estão na bolsa, amanhã eu vou cantar, até desafinado, só para ninguém se importar em olhar para mim, eu vou estar em paz.

2 comentários:

Renan Mendes disse...

Minha válvula de escape: música. Em qualquer lugar, mas principalmente na volta pra casa, no ônibus lotado.
Me vi no texto <3

Rebeca Postigo disse...

Eu e meu fone de ouvido temos uma relação de amor profundo...
Eu ouço musica sempre que posso...
É meu relaxante natural...
Me vi no texto #2
Saudades daqui...

Bjo, bjo!!!