19 de fevereiro de 2016

Aquele clichê


Você não me deixou respirar. Esses seus olhos lindos da cor do mistério, me deixaram aprisionada. Não contive nada, nem controlei. É imã, é magia, alguma espécie nova de macumba?! Quê que é? Não ligue para as minhas manias chatas de canceriana! Sei que é difícil conviver com nativos do meu signo, mas, sabe? Tenha certeza que uma coisa não lhe faltará: verdade. Porque eu tenho essa mania toda de sentir tanto, e de querer que a pessoa que tem meu coração, saiba o quanto é amada e desejada. E aí, pode ser que eu seja um tanto melosa demais, repetitiva demais, ou clichê demais... Eu gosto do clichê. Na verdade, eu gosto desse sentir. Da possibilidade nova que tudo isso me trouxe. Sentir algo estranho, L O U C O, sem nome, sem nada - mas com tudo junto e misturado ao mesmo tempo. Gosto ainda mais, meu bem, de me ter de volta. De ver que a coisa mais importante é a gente não se perder. E conseguir ter o amor de alguém como você, sendo exatamente quem eu sou, é ainda mais incrível. Pois então! Ninguém é liso, sem marcas, sem feridas e sem medos. A vida é dura pra quem decide ser feliz. E a dificuldade transforma, a dor modifica. A saudade também. E eu não sei você, mas algo aqui dentro de mim tem me deixado diferente, as coisas mudaram. Eu sempre fui muito "de boaça" com a vida, mas há uma paz estranha aqui, que eu não sei explicar. Uma serenidade, uma tranquilidade, um frescor. Assusta sentir isso assim. Assusta provar esse sabor. Assusta ter visto em você uma extensão do que há em mim. Assusta pensar que a vida faz mais sentido agora, e que tudo que aconteceu foi só uma preparação. Eu precisava crescer pra viver isso! É um ciclo novo, uma nova fase, mas existem algumas coisas que eu preciso te lembrar, desde já: Vou te ligar algumas vezes em meio a madrugada, chorando, pra te dizer que eu preciso de você do meu lado aqui e agora e que não me importa mais nada (respire, não se assuste, é a saudade que bateu mais forte), provavelmente eu vou fazer algo em algum momento que você não vai gostar (mas é porque eu sou humana, assim como você - mas nada melhor do que esclarecer as coisas. tente me ouvir, eu posso ser um tanto confusa, às vezes, mas sempre usarei da verdade com você), serei melosa demais, te amarei demais e talvez isso te sufoque (ai você me manda parar, ta? você me diz que precisa respirar, de um jeito fofo - porque eu também sou sensível demais - e aí eu te dou uma folga), e o mais importante: mesmo que um dia as coisas virem um inverno, nunca esqueça, nunca, nunca, nunca, que você é a minha primavera! Nunca esqueça de todo esse revirar de estômago e de todo esse sentimento gostoso que estamos vivendo. A rotina é difícil, o costume também... O segredo é reviver o que nos cruzou o caminho. Outra coisa que você precisa saber, é que nos meus escritos, sejam eles quais forem, sempre vai ter um pouco de você. Aí já é por causa da minha mania de escritora, de jornalista, de contista... Mania de quem pensa demais e aí as coisas já não aguentam ficar só na cabeça e escapolem pelos dedos. De qualquer forma, meu bem, entenda; eu te darei o melhor de mim.

2 comentários:

Jessica Freire disse...

já disse que vc é linda né?

Jéssica Trabuco disse...

Você que é! Obrigada, Jel <3