27 de março de 2011

Lótus


"Me perdoe, mas é que já estou tão acostumada a ter que fechar os olhos para te ver, que a certeza de poder sentir sua presença a centímetros do meu corpo, me fez perder o chão e a total noção das coisas.
Não sei se percebeu a importância disso tudo pra mim, mas foi você que me ensinou o amor. Que me fez sentir aquele friozinho de montanha-russa na barriga e que me fez ver na cor do céu muito mais que o azul e branco das nuvens. Pra mim era como se nascessem arco-íris todos os dias. Não importava quão ruim tinha sido o dia, à noite eu tinha você nos meus sonhos e na manhã seguinte faltava menos um dia para eu te encontrar. E todos os dias eu queria ser a melhor, somente para você.
Deixei por tanto tempo nosso amor escondido, e você acredita que ainda assim desconfiaram? Diziam que eu estava mais bonita e que no meu olhar havia um brilho a mais. É que eu esqueci que o olho é um grande fofoqueiro, e ele não se conteve com tanta felicidade. Por isso ele estava lá, arregalando para todos que o vissem que o amor tinha chegado.
E depois, quando já não era secreto, meus melhores amigos sofriam com a minha empolgação por falar de você. Acho que de 10 palavras, 12 tinham o seu nome.
Eu vivia sonhando, era como se tivesse você à frente dos meus olhos. Mais ninguém conseguia ter o meu interesse. Minha alma, meu coração, corpo e mente eram mais seus que meus.
Você me tornou mulher quando eu ainda era uma menina, e não pense que você roubou minha inocência ou a minha infância. Você apenas me fez olhar a vida com os olhos certos e sentir as mais loucas e até então estranhas sensações. A minha pele fervia só na sua menção e era como se eu pedisse aos céus, toda noite, para que você pudesse, finalmente, tomar o meu corpo pra ti e encostá-lo no seu, tão de perto que qualquer um confundiria de quem era o quê.
Ser um corpo só, uma única alma e ter as duas asas de um anjo. Era isso, e somente isso, que eu queria da minha vida.
Foi você que voou comigo em sonhos e recarregou todas as minhas forças quando eu já estava desistindo. Será que você também lembra de tudo que sonhamos? O pôr-do-sol no Farol, nossa união diante dos melhores padrinhos: praia à noite, o mar trazendo o frescor e a lua lá em cima nos iluminando. Um fruto do nosso amor que traria em si a mistura do nosso sorriso: o sorriso apaixonado-radiante."

Esse texto eu não consegui concluí, não sei ao certo. É muito sentimento que não conseguiu ser expressado em palavras. Achei ele (o texto) em um caderno de anotações e achei que deveria postá-lo aqui. Espero que gostem.
E ah! Com o post abaixo "A gente escolhe o que quer" eu ganhei o primeiro lugar do projeto bloínquês... fiquei super feliz! Olha o selo aí embaixo. :)


3 comentários:

Larissa disse...

"(...) encostá-lo no seu, tão de perto que qualquer um confundiria de quem era o quê."

Você revelou tanto de si mesma, tão profunda e intimamente, que confesso que não sei o que comentar abaixo das suas palavras. Só que admiro sua coragem, sua transparência, o peso do que você nos contou com tanta leveza, a força de sentimentos que se depositaram sobre nós - que lemos - como se flutuassem. Entrei em sua história e, mais uma confissão, despertei em mim uma curiosidade sobre sua vida. Perdoe-me, foi inevitável. Não sei se essa história do texto teve final feliz. Não sei, aliás, se houve um final. Devo esperar que não tenha havido, suponho. Mas, na verdade, espero que tenha acontecido o mais certo e mais bonito para você. Independente do que seja. E que seu coração seja sempre capaz de guardar um amor assim grande, como esse que li aqui.

Ju Fuzetto disse...

Que delicadeza em tuas linhas. O amor soletrado feito canção de ninar. Tão lindo!

beijos Parabéns

Dave disse...

Sensibilidade soletrada a flor da pele!

Valeu pela visita! Volte mais vezes =)

Beijo.