8 de setembro de 2011

#Blábláblá


Eu sou jornalista. Sim, eu sei que ainda não estou formada, graduada, com o diploma na mão.
Mas me faço assim, respiro assim e externizo isso.
Não vou fingir ser consultora, administradora, ou qualquer outra coisa por dinheiro.
Sou jornalista. Uma escritora sem medo, uma pessoa que adora arriscar com as palavras.
É gente, não adianta dizer que vou ser pobre, muita gente já me disse isso. Não adiantou.
Vou ser rica de palavras, rica de felicidade, serei uma explosão de amor.
Porque estarei fazendo o que gosto, porque gosto...
Me deleitando em casa crônica, resenha, nota, matéria escrita.
Em cada conto criado, em cada poesia cantada.
E o meu poder, é maior do que qualquer outro, e é sem freios.
Por que, quem pode aprisionar as palavras que ficam soltas por ai na mente de quem as leem?
Desistam.
Eu sou jornalista. E sabe do que mais? Sou feliz.

9 comentários:

Marisa Ferreira disse...

É assim que deve ser. Fico feliz por isso e vais ver que vais ser muito bem sucedida.
Um ótimo fim de semana. Beijinhos*

Camila Márcia disse...

Jéssica não sei se vc viu uma mensagem que postei no meu 'status' ontem lá no Face que dizia algo parecido com essa sua postagem. Ctrl C, Ctrl V:

"Algumas Pessoas não valorizam o que fazemos, mas apesar disso acredito firmemente que devemos fazer aquilo que gostamos com toda a intensidade possivel, não para provar nada a ninguém, mas provar para nós mesmos que não importa o que os outros digam, sempre seremos autênticos quando se trata de fazer o que queremos e/ou sabemos. As palavras não estão acima das nossas ações, pelo contrário, as ações justificam nossas palavras."

Ontem vieram me perguntar "Por que eu faço Faculdade de Letras, quer ser professora? Tadinha vai só sofrer"
Fico revoltada com comentários do tipo, acredito que algumas pessoas nascem com a triste vocação de se importarem demais com a vida dos outros, acredito que todo mundo precisa de um professor e não é o dinheiro que faz um bom profissional (todos nós precisamos de dinheiro, até mesmo os maus e incompetentes profissionais), mas acredito que é a convicção, o desejo de fazer diferente. Quem não compreende isso, poupe-me.
Amo o que faço, e faço com prazer... e creio que toda profissão merece respeito e merece ser reconhecida pelo menos com um salário digno, mas infelizmente não é assim.
Só acredito que se todos fissessemos o que gostamos seriamos muito mais felizes!

Abraços!

Comissão de Formatura disse...

Jéssicaa,

Sabe quando você sente a energia boa que a pessoa passa com uma msg? Eu senti com a sua, porque ela foi de coração! Muuito bem feita e de coração!

Beijos,

Comissão de Formatura disse...

( Ps.. É a Natacha no comentário acima!)

Geraldo de Lima disse...

Sensacional, Jéssica... Parabéns!

Emi disse...

Ahh, que linda! É bom saber que você está feliz com a profissão! Quero fazer Jornalismo quando terminar RP, e ler estas palavras suas me deu um baita ânimo!
Beijos, conterrânea!

Rebeca Postigo disse...

Amar o que se faz é a maior dádiva do mundo...

Bjs

Babi Farias disse...

Podem rebaixar diploma; podem criticar o que eu escrevo; podem dizer que não tem mercado para isso; podem falar e pensar o que quiser, mas só quem cursa e pretende seguir essa profissão entende essa labuta!

Jornalismo é fascinante! Adorei seu post, Jéssica. Futuras jornalistas não dão o braço a torcer.

Marcelo R. Rezende disse...

Discordo, você não é jornalista.
Use o sufixo no correto Art-ista!
Você é.